Histórico

Os Anais do Museu Histórico Nacional (AMHN) são uma publicação voltada para as áreas de História, Patrimônio e Museologia. Sua primeira edição foi  em 1940, sendo publicada quase que regularmente até o ano de 1975. Em 1995, a publicação foi retomada já assumindo as características de um periódico científico anual, tendo como editor, na época, o historiador José Neves Bittencourt. Em 2007, a responsabilidade pelas edições passou para os professores Rafael Zamorano Bezerra e Aline Montenegro Magalhães e, a partir de 2016, o professor Álvaro Marins passou a compartilhar com eles a mesma responsabilidade.

Trata-se de uma referência acadêmica no campo da pesquisa sobre Museus, História, Museologia e Patrimônio. Tem conceito B1 na área interdisciplinar. Por isso, é de extrema importância dar continuidade a essa iniciativa retomada há 24 anos e que a cada edição conta com artigos de qualidade, avaliados por especialistas (pares) e, eventualmente, organizados em dossiês temáticos.

Trajetória

Desde 2008, seus editores vêm empreendendo esforços no sentido de adequar a publicação aos critérios éticos e normativos na divulgação de trabalhos científicos, com a realização de chamadas públicas, a adoção de um sistema de arbitragem, modelos de avaliação, linha editorial, normas editoriais e de submissão de artigos.

Contamos com um corpo de pareceristas amplo, composto por pesquisadores e professores doutores vinculados a universidades e instituições de pesquisa aqui e no exterior. A apresentação formal da revista e sua programação gráfica na versão impressa segue as orientações da norma NBR 6021, que especifica os requisitos para apresentação dos elementos que constituem a estrutura e a organização física de publicações periódicas científicas impressas.

Cabe ressaltar que ao longo da edição dos volumes, além da chamada pública contínua, nunca deixamos de abrir espaço também para a publicação eventual de textos acadêmicos ou técnicos produzidos por pesquisadores do MHN, sejam eles servidores, funcionários terceirizados, estagiários ou bolsistas. Tal orientação editorial busca manter uma tradição dos AMHN, de ser um espaço de divulgação das práticas e reflexões históricas e museológicas produzidas na própria instituição.

A última edição impressa foi o volume 49/2017, publicado em 2019.

Migração para a plataforma digital

A partir do volume 49, os Anais passaram ser publicados na plataforma OJS, o que potencializa seu fator de impacto, reduz os custos de sua produção, agiliza a publicação dos volumes e adequa ainda mais os Anais do MHN aos padrões internacionais de divulgação científica.