A pedagogia dos antiquários Gustavo Barroso e o passado que objetos e palavras podem conter

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Francisco Regis Lopes Ramos

Resumo

O artigo é dedicado a uma reflexão sobre as relações entre passado e presente mediadas por objetos e representadas em textos literários, a exemplo das que Barroso estabelecia em sua escrita da história, carregada de uma “pedagogia antiquária”. Nesse sentido, a produção historiográfica barroseana - assim como a de Viriato Corrêa - é analisada tanto nos seus esforços de distinção entre história e ficção, quanto nas suas tentativas de aproximá-las, sempre procurando uma relação pedagógica com o tempo, como se no presente e apesar do presente o passado pudesse ensinar e ser ensinado.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Dossiê temático