Museu e imaginação histórica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Isabella Carvalho de Menezes
Lana Mara de Castro Siman

Resumo

Neste artigo apresentamos as linhas gerais de uma proposta metodológica de educação museal, concebida no Museu do OuroIbram e inspirada na Teoria da História de Robin Collingwood, tendo em vista a instauração de predisposições favoráveis ao desenvolvimento da imaginação histórica em estudantes. A partir da escuta de múltiplas vozes sociais, elaboramos cartas indutoras da imaginação, com base no acervo do museu. Em seguida, convidamos um grupo de estudantes para criar a trama de um jogo, estimulados pelo uso das cartas. Nossa preocupação fundamental foi captar como os jogadores se implicaram na proposta e que sentidos emergiram da experiência. Pode-se dizer que a reconstituição imaginativa do passado mobilizada pelos estudantes no processo de construção do jogo contribuiu para neles suscitar a empatia museal e o gosto pela História. O desenvolvimento da pesquisa nos possibilitou pensar de forma diferente o que está colocado no museu enquanto relação com o público escolar.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Dossiê temático