Castelinho do Flamengo um palacete belle èpoque na paisagem carioca

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria Teresa Silveira
Helena Cunha de Uzeda

Resumo

A paisagem urbana é uma escrita visual, uma tessitura que se acomoda em diferentes camadas ao longo do tempo, criando uma composição no espaço. Se a contemplação da natureza tem origem no romantismo, a criação da Avenida Beira-Mar deseja projetar uma imagem cosmopolita para a cidade do Rio de Janeiro, inspirada no modelo francês. Os palacetes ecléticos construídos na belle époque que ainda restam na Praia do Flamengo, são testemunhos de um período em que o “morar à beira mar” passara a ser valorizado, transformando-se em motivo de desejo da emergente classe burguesa. Na década de 1980 uma ação reconheceria o Castelinho do Flamengo como bem cultural, comprovando seu valor como ícone simbólico que persiste na paisagem, a despeito do processo de verticalização urbana. Este artigo procura analisar sua herança estilística, conferindo significação a este patrimônio artístico, que representa a experiência dos modos de morar na cidade do Rio de Janeiro.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos